Lá e cá

Um dos principais pilares que sustentam – ou deveriam sustentar – o jornalismo é a imparcialidade, um dos primeiros ensinamentos aprendidos pelos futuros profissionais durante a graduação. A notícia precisa ser publicada com equilíbrio entre o que for passado pelas diferentes partes envolvidas, é preciso ouvir as diferentes versões dos fatos, checar sempre os dados e produzir o conteúdo sem priorizar pontos de vista ou ideias, sem deixar que a reportagem seja tendenciosa. Com o tempo, a imparcialidade garante credibilidade ao veículo jornalístico.

Em alguns textos do Jornalismo nas Empresas, a função de uma equipe de comunicação corporativa fica evidente: atender às necessidades da organização, transmitir mensagens aos colaboradores para que fiquem todos informados sobre projetos, eventos, atividades e movimentações importantes da empresa. A imparcialidade neste caso é um pouco diferente, pois, além de manter a qualidade da notícia – por meio de verificação de informações, por exemplo -, também é preciso apurar com diferentes fontes e consultar especialistas em assuntos variados. O jornalista de empresa trabalha em prol da organização, logo, há sim um toque de parcialidade no processo, mas é preciso dar voz a todos os participantes, a apuração precisa ser lá e cá.

Áreas como a de Recursos Humanos, por exemplo, costumam ter interface com conteúdos diversos, produzidos pelos jornalistas. Em uma reportagem sobre um workshop ou treinamento específico, as informações são geralmente apuradas com o organizador do evento, expert no assunto abordado, mas, neste caso, o tema tem conexão direta com assuntos de desenvolvimento e carreira, o que pode tornar interessante a participação da equipe de RH para agregar valor à matéria com informações gerais sobre capacitação na empresa. Conteúdo mais rico, bom para o negócio, informação de qualidade para o colaborador e voz para diferentes equipes, o que enfatiza a sinergia entre os trabalhos.

Em ambas as situações, seja no jornalismo tradicional ou no exercido nas empresas, o jornalista precisa se atentar para o cenário no qual a informação ou a pauta estão inseridas, pois há sempre mais para ser descoberto e tudo pode mudar a cada novo fato apurado. Um conteúdo produzido sem a participação de alguma equipe cujo trabalho esteja ligado ao tema principal da notícia pode gerar interpretações equivocadas, falta de compreensão – caso haja falta de informação – e até mesmo problemas de clima organizacional. O trabalho do repórter é reportar, como o próprio nome anuncia, e para isso precisa ouvir as partes envolvidas. Nas organizações não é diferente, mas os colaboradores precisam, sem dúvida, fazer parte do processo.

Gabriel Rocha

Gostou do texto? Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s