Nunca deixe de mapear seus stakeholders

É praticamente impossível, nos dias de hoje, se dedicar a um único público. Por mais específica que seja uma ação executada por profissionais de uma organização, independentemente do setor de atuação, haverá desdobramentos que tornarão inevitável o relacionamento com diferentes públicos. Os perfis são variados, as necessidades mudam a cada caso, os interesses podem ser conflitantes, enfim, há uma imensidão de desafios que aparecem quando são considerados os diferentes stakeholders de um negócio. O que mais importa aqui é saber que, quando for necessário adotar alguma medida relacionada a um desses públicos, é preciso saber exatamente como agir e a quem direcionar cada mensagem ou tratativa.

Em alguns casos, é possível antecipar necessidades e providências, mas isso não é uma regra. Nem sempre é possível prever quando será preciso acionar um determinado contato, estabelecer uma parceria ou promover ações para um público específico. A única certeza é que todo profissional se relaciona com inúmeros stakeholders diariamente e na comunicação corporativa não é diferente: colaboradores, alta gestão da empresa, jornalistas da imprensa, Governo, comunidade e internautas são simplesmente alguns exemplos de contatos com os quais o jornalista de empresa precisa manter bom relacionamento. Mantenha os líderes ou representantes de cada público sempre mapeados, quando for necessário recorrer a eles pode ser tarde para descobrir de quem se trata.

Na comunicação interna, por exemplo, podem ser facilmente percebidas as situações em que o jornalista precisa considerar a interface de diferentes públicos: à frente de greves, há sindicato; em situações que envolvem clima organizacional, há gestores; em mudanças de processos ou ferramentas, há responsáveis da área que implementa a novidade; quando há apuração, há fontes e personagens. Comunicação é contato, relacionamento, não há outra saída.

Quando a reputação da empresa está em jogo, o jornalista de empresa também precisa atuar em diversas esferas, que envolvem diferentes stakeholders: imprensa para garantir posicionamento oficial e porta-voz; redes sociais para publicação rápida e constante de informações oficiais, garantindo transparência; Governo, por conta de assuntos que podem envolver parcerias ou questões regulatórias; comunidade, para esclarecimentos e como forma de prestação de contas etc. É importante lembrar que os stakeholders podem ser, também, boas fontes para consulta ou até mesmo para ajudas em situações complexas. Já deu pra perceber que é preciso mapeá-los, não é?

Nem todas as situações são previsíveis, portanto, organize-se. Seja por meio de planilhas, bloco de notas, sistemas próprios para cadastro de contatos, mantenha os stakeholders mapeados. É importante que as informações estejam completas – nome, cargo, empresa, telefone, e-mail, endereço e o que mais for necessário – e organizadas, seguindo subdivisões e critérios que facilitem a busca. Dessa forma, quando for necessário transmitir informações a um deles, o tão precioso tempo poderá ser destinado inteiramente à produção do conteúdo – como deve ser, de fato.

Está com dificuldade para mapear os stakeholders de seu negócio ou não consegue classificá-los de forma correta? Entre em contato.

Gabriel Rocha

Um comentário sobre “Nunca deixe de mapear seus stakeholders

Gostou do texto? Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s