Comunicação interna: não aposte sempre todas as fichas

Apostar fichas na comunicação internaAlém de produzir conteúdo estratégico para a comunicação interna, o jornalista de empresa atende a demandas vindas de diversas áreas da empresa, seja por conta de alguma necessidade particular ou devido a alguma diretriz corporativa. Nesses casos, antes de apresentar todas as possíveis soluções, é preciso avaliar individualmente cada pedido e sugerir um cronograma de divulgação condizente com cada ação, projeto ou iniciativa.

Apostar todas as fichas sempre, em todos os momentos, não é uma boa saída. Nesse texto, você vai descobrir os motivos.

Relevância

É extremamente importante conhecer o negócio e a situação atual da empresa para a qual trabalha, não me canso de repetir. Compreender o cenário para ter a real dimensão de cada demanda e, com isso, avaliar a importância e a relevância da pauta para os colaboradores é fundamental.

De nada adianta dominar todos os canais de comunicação interna, conhecer os processos de atualização e ser um bom produtor de conteúdo, se não houver direcionamento estratégico, ou seja, se o jornalista de empresa não souber dimensionar os recursos para cada tipo de demanda. Recomendo concentrar-se no imprescindível e avaliar com cautela a real necessidade de ampliar a atuação.

Impacto

A segunda reflexão a ser feita é quanto ao impacto que será gerado com determinado plano de divulgação. Depois de compreendida a necessidade, é preciso ter clareza sobre qual público será atingido e se, para isso, é realmente necessário usar todos os canais ou pensar em divulgações extras, fora do padrão de rotina.

A repercussão que determinada iniciativa terá é um fator que auxilia – ou deveria auxiliar – diretamente na decisão, já que contribui para que o jornalista de empresa avalie o nível de exposição do conteúdo e a forma como devem ser transmitidas as informações no momento.

Esforço

Cada entrega demanda um esforço da equipe e na comunicação interna não é diferente. Ter processos estruturados, colaboradores engajados e dedicados no time, com qualidade técnica elevada, e recursos financeiros disponíveis são fatores que ajudam na eficiência, mas o ponto aqui é outro: vale a pena o esforço?

Avaliar quanto tempo será dedicado aos produtos e ponderar o custo com homem-hora faz total diferença. Diante de um cenário claro, em que é possível avaliar o esforço para cada trabalho, é papel do jornalista de empresa ponderar o uso – ou não – de todos os canais. Esse critério não pode ser dispensado.

Elemento surpresa

Elemento surpresa da comunicação internaPensar fora da caixa é uma regra bastante clara quando o assunto é comunicação corporativa. Buscar soluções inovadoras e criativas é obrigação dos jornalistas de empresa, disso todos nós sabemos. Mas manter um elemento surpresa para ser usado em ocasiões importantes, de destaque, é sempre bom. E faz sentido.

Tratar todas as demandas ou ações, projetos e pautas da mesma forma, com a mesma abordagem, não é indicado. Dar sempre o mesmo tratamento para campanhas diferentes de endomarketing é ruim – vale o cuidado para não sobrecarregar os colaboradores com muitos produtos em todo tipo de divulgação. O profissional de comunicação interna precisa ter clareza sobre o que deve ou não receber mais destaque nos canais. E é aí que pode ser muito bom ter uma carta na manga.

Gabriel Rocha

Gostou do texto? Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s